Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento     Brasil: Um país de todos  

Esse é o conteúdo alternativo < /p>


 
SAC da Unidade
Mapa do Site
Página Inicial
Objetivo
Ferramentas
Estrutura
Etapas de Execução
Resultados Esperados
Comunicação
Equipe
Licitações
Publicações
Acesse Também
Notícias anteriores

PBM apóia planejamento do Inventário Florestal Nacional

Belém, setembro de 2006 - Dia 1º de setembro, em Brasília, Natalino Silva (coordenador do Projeto Bom Manejo - PBM) participa de uma reunião que tratará do Inventário Florestal Nacional, uma iniciativa do Programa Nacional de Florestas, vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

No encontro, serão discutidas as metodologias para a realização do Inventário, que deverá mapear a situação das florestas brasileiras. Entre outros benefícios, esse mapeamento auxiliará as políticas de uso e conservação dos recursos naturais brasileiros.

A idéia é levantar informações das florestas naturais e plantadas de todo o país. Segundo Natalino, até hoje, somente alguns estados fizeram inventários de suas matas, mas todos localizados no eixo centro-sul do Brasil.

“Esta iniciativa é muito importante porque resultará no retrato da situação atual das florestas brasileiras. A rede de parcelas permanentes implantadas na região amazônica, pela REDEFLOR (vinculada ao GT Monitoramento - Grupo Interinstitucional de Monitoramento da Dinâmica de Crescimento de Florestas), deverá fazer parte do inventário nacional”, completa o coordenador.

Parcelas Permanentes – O monitoramento da parcela permanente é uma ferramenta de grande importância para conhecer o crescimento e a produção de uma floresta. Gera dados que subsidiam o planejamento florestal e a tomada de decisões estratégicas, que contribuem para a sustentabilidade da produção, através do manejo florestal bem conduzido.

Este ano, o Projeto Bom Manejo publicou um livro que orienta o engenheiro florestal a instalar e medir parcelas permanentes em florestas amazônicas. As informações coletadas estão direcionadas não somente a obter dados sobre a dinâmica de crescimento e regeneração natural, mas também a ajudar o silvicultor a decidir quando intervir na floresta sob manejo, de modo a manter a sua produtividade.

Estas diretrizes, aliadas ao sistema de processamento de dados de parcelas permanentes, MFT - Monitoramento de florestas tropicais -, formam um par de ferramentas de apoio ao manejo sustentável da floresta à disposição dos Engenheiros Florestais.